Bluetooth Africa

A Sahel Sounds é uma editora sediada em Portland que, desde 2009, se dedica à edição de música popular contemporânea da região do Sahel da África Ocidental. Trata-se de um projecto de Christopher Kirkley, um jovem arquivista e etnomusicólogo que, numa viagem à região em 2008, descobriu todo um improvável mundo. O objectivo inicial da viagem era recolher sons tradicionais da região, mas acabou por se cruzar com um circuito musical muito diversificado e que funciona em condições muito diferentes do que se poderia supor, bem como do que sucede em qualquer metrópole europeia ou norte-americana. Ao tomar contacto com os mais diversos músicos, de hip-hoppers a guitarristas de blues ou a grupos nómadas de cantores tuaregues, produzindo e gravando em casa, nas ruas das cidades ou no deserto, com meios técnicos escassos, Kirkley deu-se conta que a música que ali se fazia era muito mais devedora de um cruzamento infinito de influências estéticas exteriores com referências mais «tradicionais» do que com qualquer esforço de preservação de supostas heranças culturais ou de marcas de identidade rígidas. Até aqui, provavelmente nada de novo. Na verdade, independentemente da forma como é embrulhada e vendida, a chamada «música do mundo», pelo menos em parte, é também um pouco isso: uma mercadoria entre o exótico e o kitsch, entre o tradicional e o moderno, etc.

Mas o mais surpreendente naquele caso não era tanto a forma produzir e gravar, ou o mix de referências estéticas, mas sim a forma como a música circulava. Tratando-se de gravações caseiras, não eram obviamente editadas em disco ou qualquer outro suporte físico; por outro lado, dada a escassez de computadores portáteis e o limitado acesso à Internet, o principal suporte dos ficheiros de música era o telemóvel e a sua partilha era feita preferencialmente por bluetooth, o que implica uma curiosa conjugação entre partilha digital, normalmente associada ao anonimato da rede global, e proximidade física, indispensável para a partilha por bluetooth. A consequência não menos interessante deste método – que, sublinhe-se, é uma prática quotidiana generalizada em toda uma região, sem conhecer fronteiras nacionais, étnicas, formais, etc. – é que assim que aqueles objectos são subtraídos à valorização mercantil e que a troca é substituída pela partilha, perde-se também, sobretudo a partir de uma certa extensão da partilha, a legitimação pela propriedade autoral. É evidente que o gesto de Kirkley de editar estas canções em disco, cassete ou mp3, para as vender através da sua empresa em Portland, as reconduz a uma função de mercadoria, bem como os seus autores à condição de proprietários, ainda que, neste caso, o método seja relativamente diferente do que habitualmente fazem as editoras. Os direitos adquiridos pela editora aos autores (nalguns casos será verdadeiramente difícil descobrir o autor…) limitam-se àquela edição, não havendo qualquer restrição a que as canções continuem a circular, de telemóvel para telemóvel ou seja lá de que modo for.

O catálogo da Sahel Sounds está disponível no bandcamp da editora e tem já mais de duas dezenas de edições, incluindo diversas colectâneas, álbuns de originais e reedições de raridades entretanto redescobertas. A última edição é o álbum Torodi, de Hama, um músico do Niger que compõe e interpreta as suas canções com um sintetizador electrónico. O sintetizador tem, aliás, uma muito boa tradição no Niger, como mostra o álbum, reeditado também pela Sahel Records, que Mammane Sani, a primeira pessoa a ter um sintetizador no Niger, editou em 1978.

Advertisements
Standard

Leave a Reply

Fill in your details below or click an icon to log in:

WordPress.com Logo

You are commenting using your WordPress.com account. Log Out / Change )

Twitter picture

You are commenting using your Twitter account. Log Out / Change )

Facebook photo

You are commenting using your Facebook account. Log Out / Change )

Google+ photo

You are commenting using your Google+ account. Log Out / Change )

Connecting to %s